A região do Norte Pioneiro do Paraná foi a porta de entrada para a colonização de toda a região norte do Paraná. Após o esgotamento das áreas plantadas com café no Estado de São Paulo e a implementação da cobrança de impostos por novos pés de café, os fazendeiros do sudeste de São Paulo se sentiram motivados a fazer novas plantações e escolheram as terras roxas e férteis do Paraná. 

       O cultivo do café no Norte Pioneiro do Paraná determinou a vinda de diversos tipos de imigrantes, gerou construções de ferrovias e estabeleceu as relações econômicas da região. Mais de 200 cidades surgiram na metade do século XX, tais como Jacarezinho, Cornélio Procópio, Londrina e Maringá. O parque cafeeiro paranaense chegou a representar aproximadamente 40% da área cultivada no Estado e 50% da produção nacional de café até meados de 1975, quando a geada quase dizimou as plantações. Atualmente, o Estado do Paraná produz aproximadamente 2,2 milhões de sacas de café, correspondendo a cerca de 4% da produção nacional.

       Em 2006 a Associação dos Cafés Especiais do Norte Pioneiro do Paraná (ACENPP) iniciou um Projeto de Cafés Especiais no Norte Pioneiro do Paraná. Esse trabalho resultou na conquista em 2012 da certificação de Indicação Geográfica – IG. O café especial do Norte Pioneiro do Paraná foi o primeiro produto produzido naquele Estado a receber certificação de Indicação Geográfica -IG. Seu cultivo é favorecido por condições de clima e solo que proporcionam o ciclo completo de maturação da fruta e, posteriormente, dos grãos, fatores que, conferem atributos especiais e qualidades sensoriais ao café da região.

      Provaremos agora o café desta região, cultivado no município de Pinhalão, cidade com clima ameno e temperatura média anual de 14°C. Dos seus 6.200 habitantes, 2.700 vivem na zona rural, sendo a cafeicultura a principal atividade. Esse café produzido no pequeno sítio Nossa Senhora das Graças de apenas 7 hectares, foi finalista do concurso FICAFE 2017. 

Ótimo mês a todos.

 

FICAFE